digite o código:
digite o código:
MTE-THOMSON
ORIGINAL
MTE-THOMSON
ORIGINAL

Sensor TPS

Função

O Sensor de Posição da Válvula de Aceleração (TPS) é utilizado para determinar a posição angular do eixo de um componente mecânico ou a posição linear da haste de uma válvula. A posição angular é detectada por um potenciômetro circular e a posição linear, por um potenciômetro linear.

Aplicação

Nos sistemas de eletrônica embarcada encontram aplicação, entre outras, como:

  • Sensor de posição da válvula de aceleração – TPS (circular).
  • Sensor de posição do pedal do acelerador.
  • Sensor de posição da válvula EGR (linear).
  • Sensor de posição da suspensão. Informa a altura do veículo com relação ao piso.
  • Sensor de posição de portinholas (sistemas de A/C eletrônicos): Informa o grau de abertura dos “flaps” de entrada e recirculação de ar.

Princípio de Funcionamento

São, basicamente, constituídos por um potenciômetro (linear ou circular), cujo cursor é solidário a um dispositivo que se movimenta de forma circular ou linear. O terminal elétrico do cursor representa o sinal do sensor.

Potenciômetro

São resistores de três terminais, sendo que dois são os extremos fixos, e o terceiro é o central, móvel, denominado cursor, que pode deslocar-se de um extremo ao outro do resistor (que constitui a pista do potenciômetro). (1)

Em função disto, verifica-se que, alimentando com uma tensão de referência os terminais extremos, é possível medir, entre o terminal do cursor e qualquer um dos extremos, uma tensão variável que depende da posição do cursor. (2)

  • Potenciômetros circulares: o cursor gira. São utilizados para medir o movimento angular do eixo ao qual está fixado o cursor do potenciômetro.
  • Potenciômetros lineares: o cursor se movimenta de forma linear. Servem para medir o deslocamento linear do dispositivo ao qual está fixado o cursor do potenciômetro.

Localização/Utilização

  • Sensor de Posição da Válvula de Aceleração (TPS): Informa a posição angular (abertura) da borboleta.

Nesta aplicação, o cursor do potenciômetro é solidário ao eixo da borboleta. Está localizado no corpo da borboleta. A figura 3 mostra a constituição interna de um sensor TPS.

Por motivo de segurança, nos sistemas “drive-by-wire” (acelerador eletrônico) o sensor é constituído por 2 potenciômetros num mesmo encapsulamento, o que confere redundância ao circuito.

  • Sensor de Posição do pedal do acelerador: Informa a posição do pedal nos sistemas “drive-by-wire”. Está montado na parte superior do pedal e solidário ao eixo do mesmo.

 

É de 2 pistas.

  • Sensor de Posição da Válvula EGR: Informa a abertura da válvula EGR. Este sensor é constituído de um potenciômetro linear e está localizado sobre a válvula EGR. O cursor do sensor é solidário a haste movimentada pelo diafragma da válvula.
  • Sensor de Posição da Suspensão: Informa a altura do veículo com relação ao piso. Geralmente, fixo ao chassi; o cursor é movimentado por um braço articulado ligado à suspensão.

Quando não Funciona

  • Quando o defeito resulta numa condição de falha “fora da faixa de operação” do sensor (curto-circuito ou circuito aberto), um código de falha é gravado na memória, o qual pode ser recuperado utilizando equipamento de teste (scanner). Neste caso, o sistema correspondente entra em estado de emergência.
  • Quando o defeito resulta numa condição de falha “dentro da faixa de operação” do sensor, não há, geralmente, gravação de código de falha.

 

O sistema correspondente pode apresentar um funcionamento irregular:

TPS: o motor apresenta marcha lenta irregular ou oscilante

EGR: o motor apresenta marcha lenta irregular em função de mistura incorreta ou falta de potência por excessiva recirculação de gases de escape.

Para o sensor de posição do pedal do acelerador e por ser este um sensor duplo, a unidade de comando detecta a maioria das condições de falha.

Diagnóstico/Verificação

Para o diagnóstico pode ser utilizado o scanner, visualizando o parâmetro “Posição da Borboleta”, “Sensor TPS”, ou similar. Geralmente, o valor apresentado pode ser a abertura da borboleta, em graus, ou o valor de tensão do sinal.

Por ser um resistor variável, pode ser verificado:

  • Com ohmímetro, quando desconectado do circuito.
  • Com voltímetro, quando conectado ao circuito com a ignição ligada.

 

Em ambos os casos, a verificação consiste em movimentar o cursor e não observar nenhuma variação brusca de resistência ou tensão.

Vídeos

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Mais produtos de Injeção Eletrônica

Search
Generic filters
Português
Inglês
Alemão
Espanhol
Espanhol